Sexta-feira, 11 de Novembro de 2011

Desencontros

Há sempre um gesto, menos agradável, um sitio onde passas e ouves alguma música identica a ti, a tua personalidade, forma de ser, por outras vezes são palavras que pessoas que te rodeiam te entregam, coisas que ouves e evitas responder para não maguar, ou mesmo algo que se identifica mais contigo, com a tua vida, com a tua gerãção, ou mesmo com alguém que desconheces, ou mesmo que conheces e nem avalias com lado positivo.  Com os anos vamos pensando que temos gente de todo o tipo a nossa volta e que não podemos fazer nada para mudar o que nos resta, ou mesmo aquilo que para nós era menos importante o que outrora a tempos atras se for perciso nem ligavas nem dávas valor, com o tempo começei a dár valor as pequenas coisas, mas que para o coração são unicas e desicivas.

 

Apreciei bem, e fiquei numa rua onde raramente passavam carros ou pessoas, num beco chamado" Esperança" , logo pelo nome avaliei que so poderia ser algo que realmente me fizesse mudar algo, ou na forma de ser, ou mesmo nas pessoas que pertenciam ao meu passado ou ao meu presente, talvez como esperança tambem num futuro na minha vida, então aí existia casas velhas, e carros partidos, e isso significa o mal, do meu lado oposto existia luz, e vivendas, então ai vi que era o bem, avaliando as coisas, percebi que a minha vida estava embocada para o meio de ambas, so eu poderia escolher o que fazer dali em diante, aproximei-me de um banco partido, e rezei, sabem para que? Para conseguir escolher o rumo o destino, e o caminho mais facil mas aquele que me trouxesse benefício, razão, mas sobretudo felicidade.

 

Passadas horas de estar naquele local, olhei para tráz e reparei que estava lá uma senhora de idade, mal conseguia mover-se naquelas pernas, andava com um cabo de uma "vasoura " provavelmente a fazer de bengala, e reparei que viria do lado do mal, olhei.a, e uma lagrima lhe corria pelo rosto, olhei para o lado de onde vinha, e reparei que ninguem existia naquele local, então pensei o porque daquela pobre velhota chorar?

Assim que a olhei mais profundamente ela parou, assustada olhando para mim, e diz-me " O caminho certo", fiquei assustada confesso o que era aquilo, até que pensei na sua frase e me dirigi a ela, a senhora pousou a sua mão em cima da minha e disse:

 

- O bem e o mal, com os anos vamos pecando, ou porque fizemos promessas e não fomos cumprindo, ou porque maguamos quem nos amava, os nossos, a familia, os namorados, os maridos, e não reparamos, vamos trantando mal as pessoas que nos rodeiam sempre que estamos chateados com o mundo, fases na verdade, mas minha querida não cometas o mesmo erro.

 

Fintei os olhos nela, e pensei o porque dela me estar a dizer aquilo, mas não me prenunciei não sei naquele momento foi medo, ou melancolia, mas reconheci que ela tinha razão, e soltei um sorriso para que ela percebese que a sua mensagem tinha sido bem sucedida, mas... Algo naquele momento aconteceu, fiquei aterrorizada, pois os seus olhos ficaram vermelhos, como diabo, e a sua voz ficou grossa, então ai fugi, corri o mais que pode, e sai do beco, onde a muito já estava para um momento de reflexão, deixei o tempo passar, e regresseia ao local.

 

 

Não vi mais ninguem, nem a velhota que outrora se evaparou, pois nem eu entendi, nem banco velho, nem nada a minha volta, apenas o céu, e estrelas indicando.me a noite, e ai percebi que tinha chegado a minha hora de escolher, entre o bem e o mal, fechei os olhos, e então ai percebi, o que aquela pobre velhota me queria dizer de coração, Muitas vezes ao longo da nossa vivencia não damos o devido valor as pessoas que nos rodeiam, pais, namorados, amigos, etc, e dizemos muitas vezes coisas que não sentimos só para nos defendermos, ou para doinarmos o nosso caminho, então sabem o que a velhota me diria com isto?

 

-Ao longo da sua vida, foi muito amiga dos netos, dos filhos, dos pais, da familia, e claro como todos nós, ela cometeu estes erros referidos, mas sempre com a magoa que ningvuem lhe dava valor, uma vida inteira de sofrimento, lembrei-me do que estava na sua mão o numero 19, simbolizava a idade com que decidiu tomar uma decisão para por fim ao seu sofrimento, a sua angustia a sua dor, desistiu de tudo, dos que a magoavam, dos que gostava, do mundo, e em vez de ser ela a escolher o seu destino, por ter sido tão boa pessoa ao longo da sua vida, o mal escolheu-a primeiro, ficando assim isulada de todo o mundo, da cidade, dos amigos, da familia, dos irmaos, dos netos, etc, o coutidiano, pois falecera, e muito ficou por dizer, não dela mas dos que a rodeiavam, e quem pagou por isso foi a pobre velhota, pois hoje o que ela me fez foi mostrar-me o caminho certo, lutar por mim primeiro depois pelos outros, e ir para o bem , e recordam-se da sua frase" O caminho certo"? Foi isso eu criei a minha tambem : "Se as coisas na minha vida tiverem de ser minhas foi porque as conquistei, se não voltarem foi porque numca as tive".

 

 

 

 

publicado por verdadetransparente às 14:52
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. Liberdade de expressão

. Pensamento Neutro

. Boneco mentiroso

. Desencontros

. Jogo a dois

. Sentimento Inverso

.arquivos

. Dezembro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

blogs SAPO

.subscrever feeds